Google+ Artesanato com amor...by Lu Guimarães: PRINCIPAIS MATERIAIS UTILIZADOS NO PATCHWORK!

Meus Queridos Leitores!!

Elo 7

terça-feira, 25 de março de 2014

PRINCIPAIS MATERIAIS UTILIZADOS NO PATCHWORK!

Olá meninas, tudo bem?
“O Patchwork Descomplicado” é uma coleção de artigos que abordará, de maneira didática e descontraída, vários temas do universo patchworkeiro com a finalidade de torná-lo mais conhecido por todas nós. O primeiro artigo da coleção contou a história de como surgiu a técnica (para ler o primeiro artigo da série, clique aqui).
O principal objetivo desta coleção é o de proporcionar para nós, artesãs iniciantes (e aqui eu me incluo), o conteúdo necessário para que possamos iniciar os nossos trabalhos em patchwork. A ideia é desvendarmos juntas, a cada artigo, um pouco mais sobre tudo que envolve a técnica.
Hoje, no segundo artigo da série, apresentarei uma lista dos principais materiais utilizados para fazer patchwork.
Patchwork Descomplicado - ARTIGO 2
Para confeccionar peças em patchwork é preciso estar munida de materiais adequados para que seu trabalho tenha um acabamento perfeito.
Existem instrumentos básicos, que todas nós devemos ter para fazer um belo trabalho. E, instrumentos especializados, criados com a finalidade de facilitar alguns processos na elaboração de uma peça.
Se você é iniciante e quer fazer trabalhinhos em patchwork, saiba que há um kit-trio básico que, mais cedo ou mais tarde, você precisará adquirir. É o famoso trio: placa de corte + cortador circular + régua de medida.
Dica: Assistam a um vídeo explicativo de como utilizar seu kit iniciante ao final deste artigo.
ARTIGO 2 - ilustração 1
 1- Placas de Medidas ou Placas de corte (Rotary mat): são bases de alta durabilidade (feitas com material especial) utilizadas para cortar tecidos e moldes. Possuem medidas demarcadas na horizontal e na vertical, em centímetros e em polegadas (curiosidade: 1 polegada equivale a – aproximadamente – 2,54 cm).
Possuem uma tecnologia de “auto regeneração”, ou seja, as superfícies da base voltam à sua forma original, mesmo depois de cortadas várias vezes. Ela protege nosso móvel no momento do corte e conserva a vida das lâminas dos cortadores circulares e dos estiletes.
Dica: A placa de corte é um material que não precisamos trocar com frequência. Portanto, se você ainda não a possui, opte por comprar as maiores (no mínimo de 45x60cm). Ainda que o preço seja elevado, vale mais a pena já adquirir uma de tamanho médio a grande e de boa qualidade.
Eu tenho uma base de corte de 45×60 cm há 2 anos e ainda está em ótimo estado.
Lembre-se que para que ela tenha essa durabilidade, você deverá tomar alguns cuidados importantes, como deixar sempre sua base de corte numa superfície plana e nunca sob luz solar. Isso evitará que ela empene e entorte.
2- Cortador Circular ou Rotary Cutter – é uma ferramenta de corte rotativa (circular) de tecido, constituída por uma lâmina muito afiada. Possibilita que você corte (sobre a placa de medidas) várias camadas de tecido simultaneamente e com bastante exatidão.
A maioria dos cortadores possui lâminas retráteis que podem ser fechadas para evitar lesões – são as hastes de segurança.
Dica: opte por adquirir o cortador com lâminas de 45 mm. São os melhores para cortar vários tecidos. O cortador também é uma peça com preço elevado, mas sua durabilidade é grande também. Quando sua lâmina estiver desgastada, apenas compre a lâminas de reposição.
3- Régua de Medida (Rotary ruler) – é uma régua de acrílico com marcações de medidas e ângulos (30º, 45º e 60º) especialmente desenvolvida para o universo patch. É utilizada para cortar tecidos com o auxílio do rotary cutting.
Existem no mercado vários modelos de réguas, todos facilitadores para confeccionar as técnicas dos blocos de patchwork: quadradas, triangulares, com desenhos e padrões para blocos específicos.
Dica: se você não possui a régua retangular, opte por comprar a de 15×30 cm ou 15×60 cm. É uma régua de tamanho excelente que lhe auxiliará em vários tipos de trabalho.
4- Alfinetes (pin) – os alfinetes são pequenas hastes metálicas pontiagudas utilizados na costura. Existem vários tipos e tamanhos. Para cada modelo, existe uma finalidade específica apropriada ao tipo de trabalho a ser desenvolvido.
Os alfinetes curtos (pequenos) com cabeça colorida são muito eficientes nas costuras à máquina, quando estamos colocando um zíper, fazendo bordados ou acabamentos.
Para os demais trabalhos no patchwork, utilizamos com mais frequência os longos, extra longos e alfinetes de segurança, pois prendem várias camadas de tecido e manta. Os modelos que possuem cabeças decorativas (flor) e coloridas auxiliam a visibilidade no momento da elaboração da peça.
Dica: procure adquirir os alfinetes de boa qualidade (curtos, longos ou extra longos), pois estes instrumentos possuem longa vida útil, as suas pontas são mais afiadas (não repuxam o fio do tecido), não enferrujam e não mancham as peças.
ARTIGO 2 - ilustração 2
5- Alfinetes de Segurança “Pin-Baste” – são aqueles que utilizamos para prender o sanduíche de um acolchoado para que fique unido durante o seu quilting. Existem hoje, no mercado, alfinetes de segurança curvados, que facilitam o encaixe nas 3 camadas, de maneira mais rápida e eficiente.
Dica: Saiba que você mesma pode fazer seus próprios alfinetes curvos: com uma alicate menor faça uma pequena torção nos alfinetes de segurança até que alcancem a forma dos curvados, conforme na foto acima.
6- Pincunshion ou Alfineteiro – são almofadas para manter os alfinetes organizados. Podem ser de tecido (com enchimento) ou de material magnético (imã). Existem infinitos modelos de alfineteiros. Gostaria de destacar o finger pincunshion – um pequenino alfineteiro de dedo (super fofo).
 ARTIGO 2 - ilustração 3
7- Fita métrica – indispensável instrumento de medidas usada para medir os tecidos e os moldes. Patchworkeiras sempre a tem em mãos.
8- Abridor de Casas (seam ripper) ou descosedor ou desmanchador de pontos – é uma pequena ferramenta usada para abrir casas e desfazer costuras. Nosso fiel companheiro!
9- Vira viés– instrumento utilizado para desvirar tiras de tecido como alças de bolsa, por exemplo.
10- Faz viés – é um instrumento que faz um viés de tecido para serem costurados nas peças artesanais dando acabamento. É só colocar a tira de tecido por dentro da parte mais larga do instrumento. Ela sairá pela parte menor já com a aparência de viés (pontas dobradas para dentro). Passe no ferro para vincar e pronto.
ARTIGO 2 - ilustração 5
11- Tecido 100% algodão (FABRIC) – os tecidos utilizados para patchwork são os 100% algodão. Há uma grande variedade: podem ser lisos, estampados, com estampas grandes ou miúdas e os temáticos. Os tecidos importados normalmente têm 1,10 m de largura e os tecidos nacionais, 1,40 ou 1,50 de largura.
preparando os tecidos
Antes de serem utilizados, os tecidos devem ser lavados. Sugestões de preparação:
- coloque os tecidos dobrados num balde ou na máquina de lavar por 3 horas. Evite abrir e amassá-lo todo no fundo do balde ou da máquina. Não há necessidade e poderá estragar as fibras de algodão;
- não coloque sabão em pó. Vamos enxaguar somente com água;
- tenha o cuidado de não misturar tonalidades, pois nesse momento os tecidos podem “sangrar”, ou seja, soltar pigmentos de tinta;
- centrifugue-os na máquina e estenda-os no varal, cuidando para que os prendedores não apertem demais a ponto de marcar as fibras;
- se o tecido for muito estampado, você pode passá-lo pelo avesso;
- se o tecido for delicado, utilize um pedaço de pano (que esteja sempre disponível em sua tábua de passar) para colocar sobre o tecido, evitando queimá-lo ou amarelá-lo;
12- Ferro e tábua de passar – itens indispensáveis no cantinho da costura. Para cada procedimento no trabalho do patchwork, temos de ir passando a peça, tombando ou abrindo as costuras.
Dica: tenha sempre um pedaço de pano (que será o seu pano de passar) para colocar sobre o trabalho que você irá passar.
13- Spray para tecido (Basting Spray) – é uma cola em spray utilizada para substituir o alfinete. É um tipo de adesivo temporário com a finalidade de fixar o tecido na manta.
Dica: manter uma distância razoável, no momento da aplicação, para evitar manchar o trabalho.
14- Mantas (batting) – é um enchimento que preenche o acolchoado. É a camada macia que fica no meio do quilt, entre o topo e o fundo do trabalho. A manta mais utilizada para trabalhos como painéis, jogo americano e trilhos é a manta acrílica (de poliéster), que possui grande variedade no mercado quanto aos modelos (colantes ou não) e espessuras. Já para trabalhos grandes de quilt, há preferência pelas mantas de algodão ou de lã.
Dica: Haverá um artigo específico, a ser publicado aqui na coleção, sobre os diversos tipos de manta e como utilizá-las.
15Entretelas simples e autocolantes – é o material utilizado para dar estrutura a um trabalho de patchwork. Existem vários modelos de entretelas: finas, mais encorpadas, colantes e não colantes; As entretelas simples (de gramatura mais fina) normalmente são empregadas nos trabalhos do Fundation ou paper piecing.
Já a entretela autocolante ou papel termocolante (fusible webbing) é um material em que, utilizando o ferro bem quente, é ativada a cola e ele se torna um adesivo. São utilizados para trabalhos de aplicação num tecido de fundo formando desenhos, como ocorre na técnica do patch aplique ou patch colagem.
ARTIGO 2 - ilustração 4
16- Moldes (Templates – Patterns) – são modelos contendo desenhos, medidas, moldes, gabaritos e explicações (pap – passo a passo) de como fazer determinado trabalho.
17- O Giz de alfaiate e o Lápis 6B são dois materiais utilizados para marcar os tecidos a partir dos moldes e gabaritos.
18- Vincador (Seam Presser ou Hera Marker) – é uma espátula vincadora utilizadas também para fazer marcações nos tecidos.
19- Caneta Mágica de tinta removível – é uma caneta que risca e marca um modelo no tecido, de maneira temporária, só para que façamos o trabalho (quilt, bordado, matelassê). Ela é completamente removida com o auxílio de um pano úmido;
20- Linhas – há uma grande variedade de linhas para fazer trabalhos artesanais. As linhas mais utilizadas para costura em máquina são as de poliéster ou as linhas de algodão. As linhas metalizadas são as preferidas pelas quilteiras para um quilting decorativo de um acolchoado. Com elas, alcançam-se efeitos cintilantes e com brilhos. Esses fios possuem valor mais elevado. Se for para destacar o trabalho de quilting de uma peça, o ideal é escolher uma linha de cor contrastante à do tecido. As linhas (meadas) destinadas a trabalhos como bordados à mão (caseado – ponto cruz) são de espessura um pouco mais grossas que as linhas para costura em máquina e possuem um leque de cores bem abrangente. Embroidery é o mesmo que bordado.
ARTIGO 2 - ilustração 6
21- Tesouras – as tesouras nos auxiliam a cortar moldes nos tecidos que não sejam em linha reta.
As tesouras maiores são para corte de tecidos.
A tesoura de picotar serve para fazermos acabamentos com estilo decorativo num produto.
A tesourinha de ponta fina (de precisão) dará acabamento a sua peça cortando pequenos restos de linhas que ficam na peça pronta.
Dica: recomenda-se separar uma tesoura só para cortar tecidos, outra só para cortar mantas e outra somente para cortar feltros. Dessa forma se conservam por mais tempo.
ARTIGO 2 - ilustração 7
22- Agulhas de mão (needle) – são muitos os modelos de agulha de mão que temos disponíveis no mercado. Podem ter vários tamanhos e variações de pontas também (mais finas ou mais grossas). Tudo dependerá do tipo de trabalho a ser executado.
23- Passador de linha de arame ou automático – é um instrumento utilizado para facilitar a passagem da linha pelo buraco pequeno da agulha.
24- Dedal (thimble) – é um utensílio que auxilia na proteção do dedo enquanto se costura à mão, evitando machucá-la.
25- Máquina de Costura – chegou a hora de falarmos da queridíssima do patch: a nossa fiel companheira – aquela amiga para todas as horas. A máquina de costura é imprescindível para quem quer iniciar trabalhos de patchwork.
Mas qual máquina de costura eu devo comprar?
Essa é a dúvida de muitas artesãs. E a resposta dessa pergunta está somente com você.
Máquina de Costura é igual a carro, geladeira, tv. A pessoa deve se identificar com o modelo e o que o modelo da máquina lhe oferece.
Se você quer aprender a quiltar e se especializar, deverá procurar uma máquina de costura específica para quilts (grandes acolchoados). Agora, se você quer fazer trabalhos como nécessaires, jogos americanos, painéis, cases, bordados à máquina (como caseado), você deverá procurar no mercado uma que atenda a essas necessidades.
Mas qual marca investir?
Isso também é muito pessoal. Conheço meninas que amam uma marca “X” e outras já são enlouquecidas pela marca “Y”. O segredo está com você: você irá se apaixonar pela sua máquina seja ela de qual modelo e qual marca for. Tenho certeza!
Mas, lembre-se de que é muito importante estudar bastante antes de se decidir. Pesquise. Estude. Pergunte. Apaixone-se.
Eu tenho uma Elna 2300 e uma Brother SQ9050.
ARTIGO 2 - ilustração8
26- Bobina de plástico ou de metal – é uma peça da máquina em que colocamos a linha que fará o outro lado da costura (lado debaixo – avesso). As bobinas podem ser caixa baixa ou caixa alta.
27- Sapatas ou calcador – é o acessório que fica acoplado no que chamamos de “pezinho da máquina”. As máquinas de costura já vêm com alguns tipos de calcadores ou sapatas padrão. O big foot (calcador de bordado livre) é o calcador utilizado para fazer o quilt livre.
Existem também:
- calcador de bordado;
- calcador para acolchoar;
- calcador para colocar zíper;
- e vários outros calcadores que facilitam a colocação de fitas e adornos nas peças;
Curiosidade: Você sabe o que é feed dogs (ou dentes impelentes)? É aquele mecanismo (com dentinhos) que puxa o tecido enquanto costuramos. Para fazer o quilt livre em algumas máquinas, os dentes impelentes devem ser abaixados para facilitar o deslizamento do tecido e os desenhos livres.
28- Agulhas para máquina – existem vários tipos e tamanhos de agulhas para máquina de costura. Normalmente, para os tecidos 100% algodão nos trabalhos de patch utilizamos as 2020 tam. 12, 14 ou 16 (dependendo da grossura do seu sanduíche).
É isso aí meninas.
Espero que tenham gostado.
E, para complementar as informações deste segundo artigo da coleção, preparei, com muito carinho, um vídeo com algumas dicas, para todas nós, ainda alunas e iniciantes no vasto mundo das técnicas do Patchwork. O link para assisti-lo:

Um abraço,
assinatura blog

Beijinhos!!!






 





Nas postagens do blog a maioria das fotos são de minha autoria. Em algumas ocasiões utilizo fotos que pego na internet. Sempre procuro dar os créditos devidos. Se os créditos não estiverem corretos ou faltando, por favor avise-me para que possa corrigir o erro.

Curta isso!

Minha loja ELO7

Meu recado

visitantes recentes